Missa do Crisma

No dia 19 de abril, segunda-feira, nossa diocese celebrou de maneira restrita a Missa do Crisma. Esta celebração é tradicionalmente vivenciada na quinta-feira santa, dia no qual lembramos a instituição da eucaristia e do sacerdócio pelo Divino Mestre. É um momento de grande festa, onde a igreja diocesana se reúne na igreja mãe, a Catedral. Todo o clero se faz presente bem como os líderes das pastorais e movimentos de nossas paróquias. Infelizmente, este ano não pôde ser assim.

Na Missa do Crisma, celebram-se dois momentos belíssimos. O primeiro é a renovação das promessas sacerdotais, no qual, cada presbítero presente em sintonia com o dia de sua ordenação, renova os votos que fez perante a igreja na pessoa do bispo. O segundo é a bênção dos Santos Óleos: dos enfermos, dos catecúmenos; e a consagração do óleo do crisma. Estes Óleos Santos serão ministrados nos Sacramentos que celebraremos no decorrer do ano em nossas comunidades de fé.

Dom Messias em sua homilia lembrou a importância desta celebração para a comunidade diocesana. Recordou ainda que ano passado, apenas uma pequena porção do clero pôde estar presente. Neste ano, no entanto foi possível que todo o clero estivesse reunido trazendo sua comunidade eclesial no coração.

Lembrou ainda que hoje mais do que em outros momentos temos o desejo da unção de Deus em nossas vidas. Fez um paralelo com a leitura do Profeta Isaías que fala da unção do Espírito Santo com a vocação do presbítero que deve “ungir com a palavra, com os sacramentos, com a presença, com a caridade e com a esperança”. E deve ter nos lábios palavras balsâmicas.

Fazendo menção do óleo do Crisma que recebe o sopro e o perfume e é utilizado para ungir a fronte do crismando, a cabeça do eleito para o episcopado e as mãos do neossacerdote, Dom Messias lembrou das ordenações presbiterais que ocorrerão nos próximos dias.

Por fim recordou que somos todos convidados a exalar o “Bom Perfume” em nossas missões cotidianas de cuidado mútuo das feridas.

Lembramos que continuem rezando por nossa diocese, pelo nosso bispo Dom Messias, pelo presbitério, pelos religiosos e religiosas, pelos seminaristas, por todo povo de Deus, de maneira especial pelos que dedicam sua vida à evangelização de sua comunidade de fé. Confiemo-nos ao exemplo de Maria Santíssima, nossa mãe e Mãe de Deus, no seu sim de amor. E não esqueçamos de pedir ao Senhor da Messe para que envie mais operários.

Nesse elo de amor, na fé, estamos todos unidos em oração.

Por Hugo Damião Leal,

Seminarista do 4° ano de Teologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Fale conosco